quinta-feira, 4 de maio de 2017

Grupo de Estudos Educação Libertária agora integra o Projeto MULTIVERSIDADE AUTOGESTIONÁRIA DE APRENDIZAGENS LIVRES DA OCA





O Grupo de Pesquisa e Estudos  sobre Educação Libertária reinicia seus encontros nesse semestre incorporando-se como uma das atividades do Projeto MULTIVERSIDADE AUTOGESTIONÁRIA DE APRENDIZAGENS LIVRES DA OCA. Assim os encontros do Grupo serão  realizados todos na OCA . Rua Dona Mariana, 1, Porto, Pelotas. As sextas-feiras , de forma quinzenal a partir das 14h. 

Nos encontros desse Semestre trabalharemos os projetos de pesquisa, TCC, dos integrantes do grupo e as obras de Ivan Illich em especial a " Convivencialidade" bem como  obras de outros pensadores da Educação Libertária previamente escolhidos pelos participantes.






Material de estudos da obra de Ivan Illich que estudaremos nesse Semestre



O Grupo de Estudos e Pesquisa Educação Libertária realizará também nesse Semestre os "Encontros Nietzsche" em conjunto com o Grupo de Pesquisa Vida que Vem: arte, política e processos de subjetivação. 

Os encontros serão as quartas, quinzenal, na OCA, das 15h30min às 18h30min. 

A reunião de abertura dos Encontros Nietzsche será dia 10/05- as 15h30min na OCA


Todos os encontros são abertos aos interessados, acompanhe as datas e horários da Programação












CRONOGRAMA 2017-01

REUNIÕES DO
GRUPO DE PESQUISA EDUCAÇÃO LIBERTÁRIA 

E

ENCONTROS NIETZSCHE



03/05 - Encontro do Grupo de Estudo

Tema: Definição das temáticas do Semestre

Apresentação Projeto de Pesquisa Bruna: “O ethos Libertário na Educação: O Estudo da construção de uma experiência de Educação Livre no Ensino Público


10/05- Primeiro Encontros Nietzsche

Primeiro encontro do Vida que Vem: arte, política e processos de subjetivação com o Grupo Educação Libertária do Projeto Multiversidade: projeto coordenado por professor Paulo Marques. Cujas temáticas circulam em torno do anarquismo e da educação libertária.


19/05- Encontro do Grupo de Estudo

Pauta: Apresentação Projeto Pesquisa Luiza Elói


24/05- Encontros Nietzsche

Apresentação de Pedro e a Responsabilidade. Texto de autoria de Lorraine Clara e Édio Raniere que sintetiza boa parte dos debates realizados pelo grupo de pesquisa Vida que Vem: arte, política e processos de subjetivação em 2016/01.


02/06- Encontro do Grupo de Estudo

Apresentação Projeto Pesquisa Rafa


07/06- Encontros Nietzsche

Apresentação do Projeto Multiversidade.

06/06- Encontro do Grupo de Estudo

LIVRO  “Convivencialidade” Ivan Illich


21/06- Encontros Nietzsche

Apresentação de Sobre a Vontade de Imputar: o adolescente em conflito com a lei e o problema da responsabilidade: palestra proferida por Prof. Édio Raniere no evento Nietzsche e a Psicologia, em Novo Hamburgo. A qual sintetiza boa parte dos debates realizados por este grupo de pesquisa em 2016/01.

30/06- Encontro do Grupo de Estudo


05/07- Encontros Nietzsche

Texto sugerido para debate: Segundo Capítulo do livro Nietzsche e a Verdade p.51 a p.81. Autor: Roberto Machado.

14/07- Encontro do Grupo de Estudo



19/07- Encontros Nietzsche

Texto sugerido para debate: Nietzsche e a Filosofia. Autor: Gilles Deleuze. p.36 a 52

Horário: 15h30 as 18h30.

28/07- Encontro do Grupo de Estudos



02/08- Encontros Nietzsche
Texto sugerido para debate: Nietzsche: Vida como obra de Arte. Autora: Rosa Dias. p.49 a 54 + 85 a 96

11/08- Encontro Grupo Estudos

16/08- Encontros Nietzsche

Texto sugerido para debate: Segunda Dissertação – Culpa, má consciência e coisas afins. Livro: Genealogia da Moral. Autor Friedrich Nietzsche.

23/08- Encerramento Dionisíaco. Banda. Sarau Nietzschiano.


AGENDE-SE

Encontros do Grupo de Pesquisa Educação Libertária – Sextas- Quinzenais- das 14h-16h

Encontros Nietzsche: Quartas- quinzenais- das 15h30m às 18h30min

Um comentário:

  1. Olá, recentemente o Comitê de Ação Poa, grupo libertário fundado na capital, elaborou um Zine/livreto a respeito das ocupações do Maio de 68 e a possibilidade de transformar as ocupações num espaço autogerido, cujo modelo pode ser imitado nos locais de trabalho.
    Vocês poderiam ajudar a divulgar?

    A edição em pdf disponível no link abaixo:
    https://we.riseup.net/comiteacaopoa/zine-ocupa-tudo+414069
    https://www.facebook.com/comiteacaoPOA/ (página no Facebook do nosso coletivo)

    "O objetivo dos ocupantes do Censier era a destruição das relações sociais capitalistas, mas eles não definiam a si mesmos como o sujeito histórico que iria derrubar o capitalismo. Suas ações, como aquelas do Movimento 22 de Março, são ações exemplares. Seu objetivo foi comunicar o exemplo para um sujeito mais amplo: os trabalhadores. Para fazer o exemplo fluir da universidade para a população trabalhadora, os ocupantes do Censier criaram uma nova forma social: os comitês de ação de estudantes e
    trabalhadores.
    Cada ação foi desenhada para ir além de si mesma. O objetivo dos ocupantes do Censier não foi criar uma comuna autogerida naquele prédio,
    mas assegurar a ocupação das fábricas. A ocupação do Censier é uma ruptura com a continuidade; o objetivo dos ocupantes é criar
    novas rupturas.
    Os ocupantes não agiram tomando por base aquilo que é o “normal”, mas tomando por base aquilo que é possível. Rupturas radicais com a vida cotidiana não são normais, mas elas são possíveis.
    Um movimento com o slogan “tudo é possível” prossegue com base no potencial, não no habitual. A tarefa destes revolucionários não é definir
    as condições que tornam a revolução impossível, mas criar as condições que tornam a revolução possível. Essa orientação é provavelmente a ruptura mais radical do 22 de Março e do Censier com a Esquerda Ocidental, que começa sempre apontando as “condições objetivas” (por exemplo, a apatia, o auto interesse e a dependência dos trabalhadores) que tornam a revolução impossível.
    O movimento francês começa indo além dos “limites objetivos”, uma orientação que ele compartilha com um punhado de revolucionários cubanos e vietnamitas que começaram uma luta em um tempo em que qualquer análise das “condições objetivas” deveria levar a uma predição de derrota certa. Os revolucionários franceses romperam a psicologia da derrota, a perspectiva de perdedores, e começaram a lutar."

    ResponderExcluir

As educadoras anarquistas individualistas: mulheres livres na Belle Époque, por Anne Steiner*

Nos trabalhos que reconstroem a gênese do movimento feminista apenas são citadas as figuras das mulheres anarco-individualistas do pr...